top of page

Auto medicação de cloroquina para o coronavirus: aviso

Atualizado: 17 de ago. de 2020

Em https://www.sonar-global.eu/wp-content/uploads/2020/03/CRCF-Note-on-Chloroquine-for-COVID-210320.pdf


Tradução: Fábio Galvão Brito

Revisão: Lara Santos de Oliveira

Nota preliminar do projeto CORAF. 21.03.20.


Nota: Os eventos atuais que evoluíram muito rapidamente esta nota devem ser considerados na data de sua publicação. Contato: m2sa02@gmail.com.


Fortalecer a resposta à pandemia de COVID-19, na fase preparatória do projeto CORAF (Coronavirus Anthropo Africa), um mecanismo está sendo testado pelo CRCF com TransVIHMI e SoNAR-GLOBAL para identificar fatos sociais que podem ter impacto no manejo da prevenção e da doença e desenvolver um rápido levantamento etnográfico para analisar sua importância e impacto. Uma nota resumida é escrita para as partes interessadas responsáveis pela resposta.


Em um vídeo que circulou nas redes sociais a partir de 26 de fevereiro de 2020, o professor Didier Raoult, virologista do Instituto Hospitalar Universitário Méditerranée-Infections de Marseille anunciou que a cloroquina poderia curar COVID-19 e garantir o "fim do jogo" da pandemia(2). Isso não é "fake news" (notícias falsas), mas reivindicações prematuras e excessivas(3), relataram médicos e cientistas que enfatizaram a necessidade de verificar essa eficácia por meio de ensaios clínicos e ter em conta a possível toxicidade deste medicamento. A apresentação do vídeo, as palavras do virologista carismático e atípico e uma “boa notícia” anunciada em meio a uma epidemia de medo, rapidamente tornou esta mensagem viral.


Essa mensagem foi espalhada rapidamente nas redes sociais. O rápido levantamento etnográfico que realizamos de 11 até 13 de março(4), mostra que circulou fora do âmbito médico no Senegal, Burkina Faso, Benin e Camarões. A Cloroquina, comercializada desde 1949 como um medicamento antimalárico e bem conhecido pelas populações para profilaxia na dose de 100mg por dia, foi retirado do circuito formal para essa indicação na década de 90 após o aparecimento de resistência pelo parasita. Atualmente, os derivativos são comercializados em volumes limitados para tratar pessoas sofrendo de artrite reumatoide e lúpus. Este medicamento que pode ser tóxico em altas doses (2g) ainda é usado nos países africanos ocidentais como automedicação, especialmente pelas populações mais pobres, para prevenir e tratar vários distúrbios comuns ou induzir abortos ou suicídios.


Em Dakar, em 11 de março de 2020, vários informantes mencionaram que a cloroquina foi solicitada e disponibilizada em Keur Serigne Bi, um mercado informal de drogas que ainda está ativo, apesar da legislação que proíbe o comércio de drogas fora das farmácias. Os comerciantes vendem cloroquina (na forma de Nirupquin® 100 mg: fosfato de cloroquina, Syncom formulações, Índia), cujos preços "subiram", para clientes que mencionam o coronavírus, incluindo um médico; os estoques foram criados pelos fornecedores em resposta à demanda(5). No Benim e Camarões, as farmácias recebem muitos pedidos de cloroquina para o coronavírus e alguns estão tentando obter suprimentos, principalmente da Nigéria. No Burkina Faso, a cloroquina pode ser encontrada entre os vendedores ambulantes de medicamentos, que afirmam ter falta de estoque nos últimos dias(6). Em Camarões(7), a demanda por cloroquina nas farmácias aumentou desde que o primeiro caso de COVID-19 foi relatado em 6 de março.


Desde então, outros vídeos no Youtube, o anúncio da criação de ensaios clínicos(8) e a aprovação de cloroquina nos EUA declarada pelo Presidente Trump, aumentaram as possibilidades de conscientização das pessoas sobre este tratamento - que não estão, no entanto, cientes de suas condições de uso seguras. Os canais informais de suprimento do mercado pudemos desenvolver desde a data de nossas pesquisas. A cloroquina pode ser comprada na internet (verificada em 21 de março de 2020) a preços fora de controle (por exemplo, US$ 1 por comprimido de 250 mg).

Além disso, atualmente são utilizados derivados de cloroquina para o tratamento de COVID-19 em um serviço médico especializado e precisará ser disponibilizado rapidamente aos profissionais de saúde se os ensaios clínicos validarem suas indicações.

Sistemas de administração de medicamentos com controle de qualidade e protocolos validados para tratamento e prevenção, com informações para os cuidadores, será necessário para garantir que eles sejam usados, prescritos e distribuídos em uma maneira que é limitada ao risco.

Abordando uma epidemia excepcionalmente grave, qualquer mensagem sobre a eficácia de um medicamento, mesmo um medicamento em potencial, pode levar à sua compra em massa para prevenção ou tratamento. Na África, a cloroquina encontra seu caminho no mercado informal, onde os produtos não são controlados e podem estar desatualizados ou "abaixo do padrão ou falsificados" (de acordo com a classificação da OMS)(9). Além disso, atualmente a venda não é acompanhada de receita médica ou dispensação por profissional informado sobre sua toxicidade. O anúncio da eficácia da cloroquina nas redes sociais aumentou sua popularidade na África antes de sua cobertura da mídia internacional, inclusive entre prestadores de cuidados de saúde e antes de qualquer introdução de medidas para reduzir seus riscos. Atendendo à toxicidade deste medicamento consumido por um longo período e/ou em altas doses, é imperativo aguardar o final dos ensaios clínicos que permitirá sua autorização de comercialização e sua distribuição informada e controlada.


PONTOS CHAVES

  • Vídeos circulando nas redes e mídias sociais têm promovido a cloroquina como tratamento ao coronavírus desde o início de março. Na África Ocidental, esse "medicamento antigo" contra a malária não está mais disponível no circuito formal. Mas ele ainda está disponível em mercados informais e agora é vendido para ações preventivas e curativas contra o coronavírus.


  • A cloroquina está sendo estudada por sua eficácia contra o coronavírus, mas o risco associado ao seu uso atual sem supervisão médica (toxicidade do produto em altas doses, falsa segurança de seu uso preventivo que é não validado); à sua compra no mercado informal (produtos vencidos e adulterados de composição); e a falta de conhecimento dos usuários sobre seus efeitos, exigem cautela.


  • Farmacêuticos, médicos e autoridades de saúde (autoridades de farmácia e medicamentos, centros de controles de intoxicações, associações de farmacêuticos e médicos) devem ser informados desse uso "fora do comum" de cloroquina, do uso prematuro e até agora não cientificamente validado de coronavírus, em um contexto de risco, particularmente no circuito informal.


  • Ao mesmo tempo, o fornecimento de tratamento e informações aos profissionais de saúde de forma controlada deve ser rápida assim que os resultados dos testes atuais estejam disponíveis e a comunicação com os profissionais devem antecipar esse desenvolvimento.


  • As informações e avisos contra o uso de cloroquina na automedicação devem ser transmitidos para sociedade, particularmente pelas instituições envolvidas na comunicação de riscos e no envolvimento da comunidade, e pelos atores envolvidos na sensibilização no combate ao coronavírus.

Fontes:

1- Coronavirus Project Anthropology Africa. Team: A. Desclaux, K. Sow, CRCF (Centre Régional de Recherche et de Formation à la prise en charge de Fann), IRD (TransVIHMI), RAEE (Réseau Anthropologie des Epidémies Emergentes), SoNAR-GLOBAL, with R. Houngnihin


(Benin), B. Bila (Senegal), M. Varloteaux (Cameroon).


2- Promising anti-malaria drug to combat coronavirus, BFMTV, 26/02/20, https://www.bfmtv.com/sante/un-medicament-anti-paludismeprometteur-pour-lutter-le-coronavirus-1864297.html


3- About the initial controversy in France and the international therapeutic trials, see http://www.slate.fr/story/188601/coronavirus-covid19-premieres-esperances-traitement-medicaments


4- About the effects of the spread of even atypical infox in Africa, see https://theconversation.com/la-globalization-of-infox-and-its-effects-on-health-in-Africa-example-of-chloroquine-134108


5- Ethnographic survey carried out by M. Diop, CRCF Dakar, 11/03/20


6- Ethnographic survey carried out by Dr. B.Bila, A.Ouedraogo and A.Bila, IRSS Ouagadougou/ IRD, 12/03/20


7- Ethnographic survey conducted by M. Varloteaux and S.Bibeky, ANRS-Cameroon site, Yaoundé Central Hospital, 14/03/20.


8- Clinical trials on the efficacy and indications of chloroquine derivatives and other treatments for COVID-19 are being prepared in Africa.


9- Products of inferior quality or falsified. WHO, 31/01/18, https://www.who.int/fr/news-room/fact-sheets/detail/substandard-and-falsifiedmedical-products

11 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page