top of page

Perguntas e Resposta sobre Hidroxicloroquina e COVID-19

Por WHO TEAM (https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/question-and-answers-hub/q-a-detail/q-a-hydroxychloroquine-and-covid-19)

Atualizado em 26/05/2020


- Por que o uso da hidroxicloroquina foi temporariamente suspenso no Estudo Solidário?

À luz de publicações recentes de evidências sobre a segurança e eficácia da hidroxicloroquina como tratamento para pacientes com COVID-19, o Grupo Executivo do Estudo Solidário decidiu implementar uma pausa temporária do braço da hidroxicloroquina no estudo como precaução, enquanto os dados de segurança estão sendo revisado.

Como exemplo, um estudo observacional publicado no Lancet em 22 de maio constatou que, entre 100.000 pacientes de vários países randomizados para receber hidroxicloroquina, quando usados ??sozinhos ou com um macrólido, houve uma maior taxa de mortalidade e maior frequência de batimentos cardíacos irregulares.

Uma decisão final sobre o dano, benefício ou falta de benefício da hidroxicloroquina será tomada depois que as evidências forem analisadas pelo Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados. Essa revisão incluirá dados do Estudo Solidário e de outros estudos em andamento, bem como qualquer evidência publicada até o momento. É esperado para meados de junho.

- O que acontecerá com as pessoas atualmente envolvidas com hidroxicloroquina do estudo?

Os pacientes previamente randomizados para o tratamento com hidroxicloroquina devem continuar recebendo hidroxicloroquina até que terminem o curso do tratamento. O uso de hidroxicloroquina e cloroquina é aceito como geralmente seguro para uso em pacientes com doenças autoimunes ou malária.

- Qual é a visão da OMS sobre os tratamentos profiláticos em andamento seguidos em alguns países, que incluem o uso de hidroxicloroquina?

Atualmente, a OMS está avaliando o uso de hidroxicloroquina em pacientes com COVID-19 no Estudo Solidário. O estudo da hidroxicloroquina foi interrompido como precaução enquanto os dados de segurança estão sendo revisados.

Todo país, particularmente aqueles com autoridades reguladoras, está em posição de aconselhar seus cidadãos sobre o uso de qualquer droga. Embora a hidroxicloroquina e a cloroquina já sejam produtos licenciados para o tratamento de outras doenças, nesta fase, esses medicamentos não demonstraram ser eficazes no tratamento do COVID-19. De fato, muitas autoridades nacionais emitiram alertas sobre os efeitos colaterais dos medicamentos e, em muitos países, seu uso foi limitado a ensaios clínicos sob rigorosa supervisão em ambientes hospitalares.

A OMS alertou os médicos contra a recomendação ou administração de tratamentos não comprovados aos pacientes com COVID-19 e alertou as pessoas contra a automedicação com eles. O consenso entre os especialistas mundiais é que o potencial existe, mas que são necessários muito mais estudos para determinar se os medicamentos antivirais existentes podem ser eficazes no tratamento do COVID-19. Se esses tratamentos forem eficazes, eles podem reduzir a carga do COVID-19.

- O que é o Estudo Solidário?

O Estudo Solidário é um estudo clínico internacional para ajudar a encontrar um tratamento eficaz para o COVID-19, lançado pela OMS e parceiros. Espera-se que um ou mais dos tratamentos em estudo resultem na melhoria dos resultados clínicos em pacientes com COVID-19 e salvem vidas. Outros ensaios estão em andamento em todo o mundo, além do Estudo Solidário.

Com base em dados de estudos clínicos e laboratoriais, Remdesivir, Lopinavir/Ritonavir, Lopinavir/Ritonavir com Interferon beta-1a e hidroxicloroquina foram inicialmente selecionados como opções de tratamento. Após novas evidências sobre a segurança e eficácia da hidroxicloroquina como tratamento para pacientes hospitalizados com COVID-19, a inscrição para este medicamento foi temporariamente suspensa em 24 de maio de 2020.

Mais de 100 países manifestaram interesse em participar do estudo e a OMS está apoiando ativamente mais de 60 deles, incluindo o seguinte:

* aprovações éticas e regulamentares do protocolo principal da OMS;

* identificação de hospitais participantes do Estudo;

* treinamento de médicos hospitalares no sistema de randomização e dados pela internet;

* remessa dos medicamentos de teste, conforme solicitado por cada país participante.

Até o momento, mais de 400 hospitais em 35 países estão recrutando ativamente pacientes e cerca de 3500 pacientes foram matriculados em 17 países.

Uma análise provisória do teste será produzida e será monitorada por um grupo independente de especialistas como o Comitê Global de Monitoramento de Dados e Segurança.

2 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page